PCMG

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Reportagem do Diário Oficial sobre a Posse do Chefe da Polícia Civil Wanderson Gomes da Silva




Pimentel afirma que é prioridade para o Estado fortalecer a Polícia Civil

Governador destacou, durante posse do novo chefe da corporação, que melhorar condições de trabalho é fundamental para enfrentar as questões de segurança pública


  O Governador Fernando Pimentel afirmou ontem que investir na melhoria das condições de trabalho e na estrutura da Polícia Civil é uma das prioridades do Governo de Minas, para fortalecer as ações da instituição e aumentar a segurança da população. Ele presidiu, na Cidade Administrativa, a cerimônia de posse do chefe da Polícia Civil, delegado-geral Wanderson Gomes da Silva. “Vocês terão o nosso apoio para fazer aquilo que a população de Minas Gerais quer, aquilo que escutei ao longo do ano passado, quando percorri o Estado: uma Polícia Civil bem equipada, motivada, bem treinada, estimulada a cumprir o seu dever, com as condições necessárias para desempenhar bem o seu trabalho. Fiz questão de estar nessa solenidade por dois motivos. Primeiro, pela importância que damos ao tema da segurança pública, que é prioridade para o Governo, junto com saúde e educação. O outro motivo é para expressar a admiração, o respeito e o carinho que o governador tem pela da Polícia Civil”, destacou Fernando Pimentel.

Veja reportagem na integra clicando aqui.


Fonte: Imprensa Oficial Minas Gerais


Entrevista no programa Chamada Geral do Eduardo Costa

Ouçam a entrevista concedida no dia 28/01/2015 a Rádio Itatiaia pelo Movimento Polícia Civil por Mais Vagas no programa Chamada Geral do Eduardo Costa.







Entrevista com Eduardo Costa da Rádio Itatiaia


Acesse nossa Fan Page: Facebook.com/MovimentoPorMaisVagasPCMG

Discurso de posse do chefe da PCMG - Video

Segue link do vídeo referente ao discurso de posse do Chefe da PCMG Wanderson Gomes da Silva que se deu no dia 28/01/2015 no auditório JK da Cidade Administrativa.

Clique Aqui e acesse o vídeo

sábado, 24 de janeiro de 2015

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Noticia do déficit de investigadores veiculada no Jornal O Tempo


DÉFICIT

Minas tem quase 50% menos investigadores do que o previsto pela lei

Lei Orgânica da PC, aprovada em 2013 através da Lei Complementar 129 de 08/11/2013, prevê 11.301 vagas para investigadores, enquanto atualmente o Estado conta com apenas 5.813

PUBLICADO EM 21/01/15 - 19h26

Após mais de 6 anos sem realizar um concurso público para contratar investigadores da Polícia Civil (PC), Minas Gerais apresenta atualmente um déficit de quase 50% para o cargo, conforme denuncia o movimento "Por Mais Vagas", criado por pessoas que passaram no concurso e cobram a abertura de novas vagas.
Segundo Veridiane Marcondis, de 32 anos, ela e vários outros que fizeram a prova do concurso público realizado em agosto de 2014 resolveram criar o movimento para pressionar o Governo de Minas. "O certo seria fazer um concurso a cada dois anos, já que temos sempre exonerações, aposentadorias, pessoas que sobem de cargo e afins. A Lei Orgânica, aprovada em 2013, previa a ampliação para 11.301 vagas para os cargos de Investigador I e II", explicou.
Apesar da nova lei, o Estado conta com 5.813 investigadores para atender os 853 municípios, segundo o Portal Transparência. "Com isso, ainda temos o total de 5.488 vagas em aberto, um déficit de 48,5%. Em abril passado eles publicaram o edital com mil vagas abertas. Aproximadamente 20 mil se classificaram, portanto, existem pessoas para suprir essa falta de investigadores e esperamos que o novo governo cumpra a lei", concluiu Veridiane.
Os aprovados aguardam agora o início das demais etapas até que as mil vagas sejam ocupadas. Ainda conforme o movimento, a segunda fase o concurso acontece a partir do dia 2 de fevereiro, incluindo os testes psicológicos, biomédicos, a investigação social e a prova de títulos.
"A nossa luta é para que o número apresentado na Lei Orgânica seja cumprido, uma vez que, com a falta de investigadores, a apuração dos crimes acaba atrasando e isso dá a sensação de impunidade, aumentando a criminalidade e gerando um ciclo vicioso. Esperamos que o governador Fernando Pimentel cumpra as promessas de campanha de ampliar em 12 mil o número de profissionais das polícias civil e militar", finalizou Veridiane.
Fonte: Jornal O Tempo Online

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Investigadores I e II conforme Lei Orgânica da PCMG

Muitos não sabem, mas a LOPC (Lei Orgânica da Polícia Civil de Minas Gerais) aprovada em 2013 através da Lei Complementar 129 de 08/11/2013 aprovou um total de 11.301 vagas para os cargos de Investigador I e II.

Todos os Investigadores antes da Lei Orgânica passaram ao cargo de Investigador de Polícia II e para Investigador I foram aprovadas 3.434 novas vagas.

O total de Investigadores II aprovado foi de 7.867, mas em consulta realizada na data de 30/12/2014, conforme o portal de Transparência de Minas Gerais, há 5.813 Investigadores II ativos no Estado, um déficit de 2.054.

Contando o déficit de Investigadores II com os que foram criados, Minas Gerais tem 5.488 Policiais Civis a menos, quase 50% de déficit.





quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Entrevista do Movimento PCMG por mais vagas na Rádio Itatiaia

Na data de 08/01/2015, a Guerreira Veridiane Marcondes foi entrevistada no programa Plantão da Cidade da Rádio Itatiaia. Segue abaixo o áudio da apresentação e entrevista.

Apresentação do Movimento PCMG

  Entrevista com Movimento PCMG

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Entrevista ping pong com Luis Flávio Sapori

O blog Polícia Civil Por Mais Vagas entrevistou o especialista em Segurança Pública Luis Flávio Sapori.

Por: Veridiane Marcondes

Luis Flávio Sapori possui doutorado em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do RJ/ IUPERJ (2006). Foi Secretário Adjunto de Segurança Pública do Estado de Minas Gerais no período de janeiro/2003 a junho/2007. Também coordenou o Instituto Minas Pela Paz no biênio 2010-2011. Atualmente é professor do curso de ciências sociais da PUC Minas como também é coordenador do Centro de Estudos e Pesquisa em segurança pública (CEPESP - PUC Minas). Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia do Crime e da Violência, atuando principalmente nos seguintes temas: justiça criminal, polícia, organizações, e violência. É autor de diversos artigos científicos e de livros, destacando-se SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL- DESAFIOS E PERSPECTIVAS, publicado pela Editora Fundação Getúlio Vargas, e CRACK - UM DESAFIO SOCIAL, publicado pela Editora PUC Minas.




Veridiane Marcondes O sr. acredita que a criminalidade ou os tipos de crimes aumentaram em Minas Gerais devido a falta de efetivo na Polícia Civil, que é a polícia que investiga?

Sapori - A falta de efetivo da Polícia Civil prejudica diretamente a qualidade do trabalho da Instituição. À medida que se tem a escassez de policiais para investigar, realizar o trabalho cartorário, aumentam a sobrecarga de trabalho sobre os policiais existentes, o tempo de investigação e a repressão ao crime. Na prática aumenta também a impunidade e a incidência dos crimes de homicídios e roubos no dia-a-dia. Nos últimos cinco anos a Polícia Civil foi colocada em segundo plano, o Governo passado não deu a devida atenção, agora a situação veio à tona e a carência de recurso humano é grave. O Estado precisa resolver de alguma maneira um erro de planejamento, erro tal que impactou diretamente a capacidade operacional da Polícia Civil nesses últimos anos.

V.M Em campanha o governador Pimentel prometeu um aumento de efetivo em 12 mil policias tanto para a Polícia Civil quanto para a Polícia Militar. Como especialista em Segurança Pública quais os desafios que o governador enfrentará para cumprir com o prometido?

Sapori - É fundamental que o governador Pimentel componha esses quadros da Polícia Civil, que ele possa realizar os concursos públicos conforme prometido, porque se não fizer o problema vai continuar afetando a qualidade do trabalho da Instituição. Certamente essa medida não é simples, porque os recursos financeiros disponíveis são poucos, a situação financeira do Estado não é boa e isso é de conhecimento público, e pode impactar a capacidade de contratar novos policiais. Não tenho certeza se o governador Pimentel vai conseguir cumprir a promessa de 12 mil policiais entre as polícias Civil e Militar, se ele conseguir será com muito sacrifício, mas se o governador atender pelo menos metade disso, em quatro anos, aliviará o Estado.


V.M Minas Gerais ficou seis anos sem realizar concurso para Investigador, o ideal seria um concurso de quanto em quanto tempo?


Sapori - O ideal seria o concurso de dois em dois anos, entre um concurso público e a capacitação policial, e a sua entrada em efetividade, demora aproximadamente dois anos.


A entrevista realizada com Luis Flávio Sapori foi para discutir a falta de efetivo da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), por isso que o entrevistado cita somente a PCMG.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Fotos da Posse do Governador Fernando Pimentel na ALMG e Praça da Liberdade

Fotos da posse de Fernando Pimentel

Frases do novo Governador Fernando Pimentel no dia da Posse 01/01/2015

"Vamos governar ouvindo os mineiros."

"Será um governo que não ficará refém de planilhas e números."

"Será um governo do novo."

"Serei um porta-voz da vontade popular."

"Menos poder para o governo, mais poder para o povo".

"Dialogar com o funcionalismo público do estado".

"Aumentar a eficiência e eficácia da Segurança Pública'.

"Fazer tudo que for possível".

"Vamos todos juntos fazer o governo de todos".